Current track

Title

Artist

Background

Atira moedas para motor de avião para “dar sorte” e acaba multado

Written by on 05/01/2020

Homem esteve preso e ainda foi obrigado a pagar cerca de 15 mil euros à companhia aérea.

Um homem de nacionalidade chinesa, de 28 anos, foi multado em cerca de 15 mil euros depois de ter atirado duas moedas para “dar sorte” em direção a um dos motores do avião onde ia viajar.

Conta a BBC, que tudo aconteceu em fevereiro de 2019, no aeroporto de Anqing Tianzhushan, no Leste da China. Era a primeira vez que Lu Chao viajava de avião, por isso, o chinês decidiu atirar dois yuans para dentro do motor do avião, da companhia aérea low cost que, ironia das ironias, se chama Lucky Air (Sorte, em português).

Quando o avião estava prestes a levantar voo, a equipa de assistência em terra encontrou as pequenas moedas, que valem cerca de 13 cêntimos cada uma, no chão, junto a um dos motores e ordenou a evacuação do avião, enquanto procurava por mais.

O voo acabou por ser cancelado, devido ao perigo de existirem peças de metal num dos motores do avião, afetando centenas de passageiros e dando à companhia aérea custos extra.

“Independentemente do tamanho, qualquer peça de metal que caísse dentro dos motores iria danificar as lâminas das turbinas”, explicou Zhang Qihuai, especialista jurídico no setor de aviação chinês ao jornal Beijing Youth Daily, acrescentando que a presença de uma moeda num motor podia incendiar ou parar o mesmo.

A sentença de Lu Chao saiu em julho, mas só agora é que foi tornada pública. Além de ter de pagar à companhia aérea cerca de 15 mil euros pelos danos causados, o homem ainda esteve preso durante 10 dias.

Recorde-se que, algumas comunidades chinesas acreditam que o gesto de atirar moedas a aviões pode trazer sorte às famílias e ajudá-las a superar obstáculos. Esta superstição é ilegal no país e os infratores podem ser condenados a 10 dias de prisão e a multas que variam muito de valor, mas que começam nos 34 euros.

Apesar disso, esta superstição ainda causa problemas. Em 2017, registaram-se pelo menos dois casos.


Opiniões dos Leitores

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com asterisco *