Current track

Title

Artist

Background

Santo Antão: Governo pondera retomar as investigações sobre mil pés nesta ilha

Written by on 19/03/2020

As investigações sobre a praga dos mil pés (illacme plenipes) em Santo Antão podem ser retomadas ainda em 2020, no quadro da cooperação chinesa, que deve disponibilizar um técnico para o efeito.

O Governo, através do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA), já admitiu a possibilidade de, no quadro da cooperação com a China, poder retomar as investigações, com vista a encontrar forma de combater essa praga, que aflige a agricultura nesta ilha há mais de 40 anos.

O secretário de Estado da Educação, Amadeu Cruz, já havia, também, anunciado que se vai continuar com as investigações para eliminar os mil pés de Santo Antão, ou, pelo menos, “reduzir os efeitos nefastos” dessa praga.

Igualmente, a empresa Aquasun Energia e Água, que vai, no decurso deste ano, implementar um projecto agro-industrial em Santo Antão, informou que vai apostar nas investigações sobre os mil pés, com a instalação de um laboratório, para o efeito.

Esta empresa diz contar com a parceria com algumas universidades nacionais na realização das investigações.

Devido à praga dos mil pés, que terá sido trazido da Europa, Santo Antão tem estado sujeito, há 36 anos, a um embargo, que impede o escoamento dos produtos agrícolas santantonenses para as outras ilhas agrícolas do país.

Os produtores agrícolas e os autarcas da ilha têm feito “forte pressão” ao Governo para o levantamento do embargo, mas, para já, segundo o ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, “não está nos planos do Governo o levantamento” dessa medida de quarentena.

Entretanto, o Governo, no quadro do Orçamento de Estado para 2020, pretende apoiar os produtores agrícolas em Santo Antão na transformação dos produtores, como forma de contornar o problema do embargo.

Os agricultores em Santo Antão dizem-se “castigados” com essa medida, que levou ao “declínio” a agricultura nesta ilha.

Fonte: Sapo.cv


Opiniões dos Leitores

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com asterisco *