Current track

Title

Artist

Background

Como se sente? Este tipo de emoção aumenta o apetite

Written by on 15/06/2020

Um novo estudo alerta que experienciar emoções negativas aumenta o apetite.

Segundo um estudo realizado por investigadores da Universidade de Salzburgo, na Áustria, e divulgado na revista Galileu, comer pode ser uma ação de resposta ao stress.

A pesquisa publicada revista científica Frontiers in Behavioral Neuroscience alerta que comer em demasia devido a alterações de humor negativas e para preencher o ‘vazio’ decorrente de episódios causadores de stress e de ansiedade, constitui um fator de risco para o desenvolvimento de distúrbios alimentares, tais como a compulsão ou bulimia – além de obesidade. 

“Mesmo com um IMC [índice de massa corporal] saudável, comer demais [nessas situações] pode ser um problema”, refere Rebekka Schnepper, co-autora do estudo, num comunicado emitido à imprensa. 

O estudo

Conforme explica a revista Galileu, os académicos analisaram 80 estudantes do sexo feminino da Universidade de Salzburgo. Todas as jovens mulheres apresentavam um IMC considerado médio, por outras palavras não se encontravam nem na categoria de demasiado magras nem obesas.

Os especialistas explicaram que a decisão de estudar somente mulheres recaiu na teoria de que estas estão mais predispostas a sofrer de distúrbios alimentares.  

No decorrer do estudo, os cientistas leram histórias às voluntárias com o intuito de provocar uma resposta emocional neutra ou negativa. As narrativas negativas descreviam situações da vida pessoal das jovens; já as histórias neutras referiam-se a temas corriqueiros como lavar os dentes. Adicionalmente, as participantes visualizaram imagens de alimentos apetitosos.

No final da experiência, os cientistas detetaram que o apetite das comedoras emocionais aumentava quando vivenciavam sentimentos negativos, comparativamente a quando sentiam emoções neutras.

Para Schnepper, os dados apurados podem contribuir para a formulação de estratégias no tratamento de distúrbios alimentares.


Opiniões dos Leitores

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com asterisco *