Current track

Title

Artist

Background

Músculos fortes podem apoiar o sistema imunitário, revela novo estudo

Written by on 29/06/2020

Um novo estudo realizado em ratos revelou que a massa muscular pode ajudar a manter um sistema imunitário mais forte.

Novas pesquisas, com eficácia comprovada em ratos, revelaram que os músculos fortes desempenham um papel importante na manutenção de um sistema imunitário eficaz. Este é, particularmente, o caso durante doenças crónicas graves, que de outra forma podem desgastar o sistema imunitário.

Além disso, os músculos  podem combater o processo de caquexia. A caquexia é uma síndrome de desnutrição multifatorial que se caracteriza por uma perda de peso e perda de massa muscular. Geralmente, acompanha uma doença crónica grave, além de um enfraquecimento do sistema imunitário.

pesquisa, que cientistas do German Cancer Research Center in Heidelberg publicaram na revista Science Advances, estabelece as bases para futuros estudos em seres humanos.

A caquexia pode ser responsável por até um terço das mortes relacionadas ao cancro. Também pode afetar pessoas com outras condições graves, como HIV, doenças renais crónicas e insuficiência cardíaca.

Além da caquexia, as pessoas com doenças graves também podem ter um sistema imunitário enfraquecido. Isso acontece porque as suas células T, que são centrais na resposta do sistema imunitário à doença, ficam esgotadas.

Os cientistas também associaram as células T à caquexia. Segundo o autor principal do estudo, Dr. Guoliang Cui: “Sabe-se que as células T estão envolvidas na perda de massa muscular. Mas se e como, por sua vez, os músculos influenciam a função das células T ainda não está claro”.

Nesse contexto, os investigadores desenvolveram um estudo para explorar a relação entre a caquexia, massa muscular e células T.

“No nosso estudo, os ratos com mais massa muscular foram mais capazes de lidar com a infecção viral crónica do que aqueles cujos músculos eram mais fracos. Mas se os resultados podem ser transferidos para os seres humanos, estudos futuros terão que mostrar”. 


Opiniões dos Leitores

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com asterisco *