Current track

Title

Artist

Background

Estudo afirma que a falta de sono pode ser a razão da sua infelicidade

Written by on 30/06/2020

Segundo um novo estudo, dormir mal afeta a positividade e, como tal, os sentimentos de felicidade.

Um novo estudo, publicado na Sleep, enfatiza a importância de um horário de sono regular e consistente para o bem-estar geral. De acordo com os investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia, a falta de sono pode fazer com que uma pessoa se sinta menos feliz, mais preguiçosa e menos atenta no dia seguinte.

Para chegar a esta conclusão, foram analisados os hábitos de sono de um grupo de 59 adultos entre os 18 e os 35 anos. A maioria dos estudos sobre o sono decorre em laboratórios, mas este permitiu que os participantes dormissem no conforto de suas casas.

Assim, para começar, cada pessoa dormiu seguindo a sua programação habitual, na sua própria cama, durante sete dias. Após três noites, os participantes foram submetidos a uma série de testes. Nas três noites seguintes, todos dormiram duas horas a menos do que costumavam fazer. Nas duas manhãs seguintes às noites reduzidas, os participantes foram submetidos aos mesmos testes novamente.

Quanto melhor sono, melhor o foco

Todos os testes ocorreram cerca de uma hora e meia depois de os participantes acordarem e ninguém foi autorizado a tomar café. Os testes examinaram a atenção de cada pessoa, pedindo que identificassem a letra ‘x’ numa série de imagens. “Testamos a capacidade de resposta e a precisão. O tempo de reação diminuiu quando os participantes foram privados de sono, mas a taxa de erro aumentou”, diz uma das autoras, Ingvild Saksvik-Lehouillier.

Impacto na saúde mental

Em seguida, foram avaliados os sentimentos positivos e negativos dos participantes.

“Não encontramos diferenças claras no que diz respeito às emoções negativas, mas houve diferenças marcantes nas positivas. Os sentimentos positivos dos participantes tiveram pior pontuação depois de uma noite de sono reduzido e caíram ainda mais após três noites”, observa a autora.


Opiniões dos Leitores

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com asterisco *